Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Mídia | Fique de olho |

Fique de olho
Publicado em 25/6/2013 17:17:09

DIVERSIDADE SEXUAL

Ato contra projeto da Cura Gay reúne milhares de pessoas em SP

*Com informações do SinPsi

Organizado pelo CRP SP, em parceria com o SinPsi e coletivos de defesa da diversidade sexual e de gênero, o ato contra a Cura Gay e o Ato Médico reuniu cerca de cinco mil pessoas em 21 de junho, na Praça Roosevelt, em São Paulo.

Em uma semana marcada pela aprovação na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, do PL PDL 234/11 que suspende parte da Resolução 01/99 e da aprovação no Senado do PL do Ato Médico PL 268/2002, os (as) manifestantes unificaram as duas bandeiras e protestaram contra os problemas e os absurdos dos dois projetos que prejudicam não apenas os (as) profissionais da Psicologia, mas toda a população brasileira.

A manifestação teve como diferencial a existência de um microfone aberto para que as pessoas pudessem manifestar sua indignação e colocar as questões que estão em jogo com os dois projetos. Também foi clara em sua reivindicação: que a presidenta Dilma Rousseff vete o PL do Ato Médico e que as comissões de Seguridade Social e Família e a de Constituição e Justiça não aprovem o PL da Cura Gay.

"Tenho três filhos e um deles é gay, tem 25 anos, é muito saudável e perfeito. Ele não pode vir, porque sai tarde do trabalho hoje, então vim representá-lo. Quero um mundo melhor para os meus filhos. A aprovação de um projeto como esse é um retrocesso tanto para o meu filho gay quanto para minha categoria profissional", contou Flávia Iglesias, psicóloga.

Contra o PL do Ato Médico estavam na Praça Roosevelt, além de psicólogos (as), acupunturistas, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, enfermeiros e nutricionistas. Todos (as) indignados com a perda de autonomia destas profissões em diagnosticar e indicar tratamento, trazida pela aprovação do PL.

"A equipe do CAPs São Matheus, onde trabalho há quatro anos, é multidisciplinar e atua com competência e bons resultados, tanto que os próprios médicos da equipe repudiam esse projeto de lei. O Ato Médico é um verdadeiro contrassenso, demonstra toda a onipotência da classe médica em detrimento do atendimento de qualidade à população", afirmou o terapeuta ocupacional Diego Almeida.

"Não somos contra a regulamentação da profissão do médico, mas isso não pode acontecer em detrimento de outras áreas de atuação da saúde. O Ato Médico interfere na autonomia e desqualifica o saber especifico de cada uma das profissões atingidas. Além disso, representa uma ingerência no trabalho multidisciplinar em saúde, fator que defendemos há muito tempo. Por isso, o Ato Médico é um retrocesso", afirmou a Presidenta do CRP SP, Maria de Fátima Nassif.

O PL do Ato Médico depende apenas da sanção da Presidenta Dilma e a previsão é a de que ela aprecie o texto ainda nesta semana. Por isso é urgente a intensificação da campanha VETA DILMA.
Participe: http://www2.pol.org.br/main/manifesto_veta_dilma.cfm

Confira abaixo imagens do protesto contra o Ato Médico e a Cura Gay na Praça Roosevelt: