Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Mídia | Fique de olho |

Fique de olho
Publicado em 27/5/2013 15:49:44

LUTA ANTIMANICOMIAL 2013

Luta antimanicomial reuniu manifestantes em marcha pela Avenida Paulista

No último sábado, dia 18, cerca de 1,5 mil pessoas, de 15 municípios paulistas, se concentraram no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na capital, em torno da bandeira "A luta não para", por uma sociedade sem manicômios e em defesa do tratamento em liberdade.

A descontração e a alegria deram o tom à manifestação, que contou com a presença de representantes dos movimentos feministas e do Coletivo DAR - um dos organizadores da Marcha da Maconha em São Paulo - de Centros de Atenção Psicossocial (Caps) de várias regiões e de universidades, além de usuários e seus familiares. A bateria do Complexo Prates e o cordão carnavalesco Bibi-Tantã animaram os participantes, que marcharam pela Avenida Paulista rumo à Praça Dom José Gaspar, no centro da cidade.

Segundo a conselheira Marília Capponi, representante do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo (CRP SP) na Frente Estadual Antimanicomial - organizadora do evento -, a diversidade foi a marca deste ano. "Reunimos um grande número de usuários e envolvemos vários e diferentes segmentos da sociedade", comemorou.

Ao final da marcha, parte dos manifestantes permaneceu na Praça Dom Gaspar para acompanhar as atividades da Tenda Paulo Freire, idealizada de acordo com o modelo de educação popular. Desde as 10h, quando foi montada, passaram por ela mais de 400 pessoas, entre integrantes do movimento antimanicomial e aqueles que pasavam pelo local. O objetivo da Tenda, estruturada por membros da Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde (Aneps-SP), de propor o exercício da liberdade e do aprendizado compartilhado, foi alcançado com plenitude. Thamara Fernandes Sales Santos, organizadora do evento, destacou as manifestações espontâneas como pontos fortes. A programação contou ainda com "Corredor de Cuidados", práticas tradicionais coletivas e individuais, massagem rítmica e distribuição de cordéis especialmente elaborados para o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, rodas de conversas e atividades culturais.


Interior e Litoral

O CRP SP também realizou diversas atividades no âmbito da Semana da Luta Antimanicomial, no interior e no litoral, através de suas subsedes.

Confira abaixo como foram estes eventos em Bauru, no Vale do Paraíba e na Baixada Santista.

Baixada Santista


As atividades da região discutiram o tema da internação compulsória e da atenção psicossocial, além de promover outros eventos como o Encontro de Familiares de Usuários (as) de Serviços de Saúde Mental.


Bauru


Com a participação de cerca de 130 pessoas, a Mesa Redonda tratou o tema Qual é a sua Loucura? Também foi organizado o Cine clube, com a exibição de Si Puó Fare, filme italiano que conta a história de um sindicalista que é afastado do seu posto de trabalho e enviado para dirigir uma cooperativa de ex-internos recém saídos de seus tratamentos.

Vale do Paraíba e Litoral Norte


A subsede promoveu um seminário que tratou o tema: A Psicologia diante dos Processos de Exclusão e de Higienização da Cidade, que aconteceu em São José dos Campos; já em Taubaté, aconteceu a Semana Comemorativa da Luta Antimanicomial, que contou com a participação da equipe e usuários dos CAPS II, i e AD.

Veja abaixo as fotos da mobilização realizada no dia 18 em São Paulo