Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Mídia | Fique de olho |

Fique de olho
Publicado em 30/4/2013 14:06:25

EDUCAÇÃO BÁSICA

Em evento em SP, CREPOP lança documento de referência

"Esse documento se preocupa em recuperar nossa trajetória no campo da educação de forma crítica e organizar nossa atuação em práticas que venham a enfrentar os grandes desafios que encontramos nessa área", afirmou a conselheira do CFP, Marilene Proença, na abertura do debate online que lançou a publicação do CREPOP, Referências Técnicas para Atuação de Psicólogos (as) na Educação Básica, que aconteceu em São Paulo, em 17 de abril.

O documento, produzido por uma comissão de especialistas, foi apresentado durante as falas das debatedoras, que traçaram um panorama da inserção da Psicologia na Educação Básica e apontaram os desafios que a categoria ainda precisa enfrentar na área.

Para a psicóloga e professora da Universidade Federal de Rondônia, Iracema Tada, o grande desafio é estabelecer um diálogo entre o (a) psicólogo (a) e os demais profissionais que atuam na escola para que não haja um trabalho partido, mas sim conjunto. "Temos que estar em interlocução com aqueles com quem vamos trabalhar, produzir novos arranjos. O (a) psicólogo (a) deve contribuir para manter em exercício redes de atenção à vida, que foquem as potencialidades dos indivíduos", aponta.

Além disso, ela alerta para a necessária compreensão do ambiente escolar como forma de otimizar a atuação da Psicologia na Educação. "O cotidiano escolar é composto de fatos e contradições que permeiam o ensinar e o aprender, que interferem na forma do (a) psicólogo (a) executar o seu trabalho", explica.

Na mesma direção aponta a psicóloga e professora da Universidade Estadual de Maringá, Marilda Facci, que reforça ser função do (a) psicólogo (a) participar do trabalho de elaboração, avaliação e reformulação do Projeto Pedagógico da Escola, destacando a dimensão psicológica ou subjetiva da realidade escolar. "Isso permite sua inserção no conjunto das ações desenvolvidas pelos profissionais da escola e reafirma seu compromisso com o trabalho interdisciplinar", indica.

Para ela, os psicólogos (as) têm que conhecer a realidade escolar, o corpo docente e a equipe pedagógica. "Esse conhecimento permitirá o planejamento, desenvolvimento e avaliação de diferentes possibilidades de intervenção", ensina.

Sobre a integração da Psicologia com as demais profissões que atuam no contexto escolar, a psicóloga e colaboradora do CRP SP, Carmen Taverna, propõe que a categoria componha com a equipe da escola na elaboração, implementação e avaliação do Projeto Pedagógico e, a partir desse trabalho conjunto, que o (a) psicólogo (a) construa seu projeto de atuação.

Carmen Taverna enumerou ainda diversos desafios a serem enfrentados na inserção da Psicologia na Educação. Um deles é romper com a patologização, medicalização e judicialização das práticas educacionais nas situações em que as demandas por diagnósticos fortalecem a produção do distúrbio/transtorno, da criminalização e da exclusão.

O documento está disponível no site do CREPOP. Acesse.