Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Comunicação | Jornal PSI |

  Livros
| Estante |

Psicologia das Relações Interpessoais: vivências para o trabalho em grupo.
Del Prette, A. & Del Prette, Z. A P. (2001). Petrópolis: Vo zes, 231 páginas..
   

Psicologia das Relações Interpessoais

O livro ?Psicologia das Relações Interpessoais: Vivências para o Trabalho em Grupo? vem representar mais umas das valiosas contribuições dos autores para a área de habilidades sociais, que constitui um tema recente e inovador em termos de investigação e pesquisa no Brasil, assim como amplo e complexo por motivo de perpassar os mais diversos e variados contextos de convivência humana, a saber: organizacional (de trabalho), educacional, clínico, familiar, conjugal, comunitário e demais outras instâncias que envolvam a interação social entre duas ou mais pessoas.

Dos mesmos autores de ?Psicologia das Habilidades Sociais: Terapia e Educação?, o livro se destaca pela riqueza de informações concisas, claras e bem concatenadas acerca do tema, além de oferecer um programa baseado em vivências que pode ser utilizado para atender a finalidades tanto terapêuticas quanto preventivas das dificuldades e problemas interpessoais. Encontra- se organizado em sete capítulos articulados entre si e listados a seguir numa breve explanação sobre seus conteúdos:

No primeiro capítulo, são explorados os paradigmas linear e sistêmico coexistentes quando se trata da temática das relações interpessoais e, em decorrência, presentes também no campo teórico-prático das habilidades sociais.

 

Em um segundo capítulo, os autores apresentam importantes conceitos da área, tais como os de desempenho social, habilidades sociais e competência social, diferenciando-os um do outro e expondo as dimensões e critérios da competência social, de forma muito clara e objetiva. Discorrem ainda sobre o desenvolvimento e socialização, abordando, em especial, a influência da família, da escola, da televisão, da Internet e dos jogos sobre esses processos vitais.

O terceiro trata dos contextos e demandas de habilidades sociais, focalizando o familiar (que, por sua vez, faz referência às relações conjugais e entre pais e filhos como unidades de análise), escolar e de trabalho. Também define com muita propriedade o termo demanda.

Já no quarto capítulo, os autores propõem uma classificação das habilidades sociais em ordem crescente de complexidade, organizando-as e descrevendo-as em termos das classes de automonitoramento; comunicativas; de civilidade; assertivas de enfrentamento; empáticas; de trabalho, incluindo aqui as educativas; e as de expressão de sentimento positivo. Considerando a análise do conteúdo e funcionalidade para esta categorização, não excluem a possibilidade de algumas sobreposições entre elas devido à variabilidade e complexidade existentes nas relações humanas.

Definindo o que é uma vivência, o quinto capítulo advoga a sua utilização tanto para uma melhor avaliação das dificuldades interpessoais como para a sua superação e conseqüente promoção do desenvolvimento de habilidades mais adaptativas. Oferece-nos também a estrutura de um programa de treinamento baseado em vivências, enfatizando que os desempenhos por elas facilitados constituem também ocasião para o emprego de outros procedimentos e técnicas cognitivo-comportamentais usuais do Treinamento em Habilidades Sociais (THS). No final, explicita os requisitos técnicos necessários para um facilitador ou terapeuta trabalhar com este tipo de treinamento e as questões éticas envolvidas.

No sexto capítulo, são apresentadas 40 vivências para o trabalho em grupo, cada uma delas descrita em termos de objetivos, materiais necessários, procedimento de aplicação, variações e observações. Os autores propõem a organização dessas vivências em três etapas de um programa de THS seguindo uma lógica de complexidade dos objetivos, descritos no capítulo anterior da mesma obra, como base para o planejamento de programas de THS.

Finalizando, no sétimo capítulo, os autores aludem às transformações contínuas que vêm ocorrendo no mundo globalizado de nossa atualidade histórica e suas conseqüências para as relações humanas, suscitando a reflexão sobre a necessidade de um novo padrão relacional entre os indivíduos.

Pode-se destacar que, enquanto em seu primeiro livro os autores se orientam mais pela perspectiva cognitivo-comportamental da área, neste segundo, referendam uma postura mais sistêmica para conceber seus conceitos e fundamentar seus pontos de vista. Em síntese, a obra constitui um convite de leitura imprescindível para todos aqueles interessados na melhoria das relações interpessoais nos mais variados contextos de convivência humana e que buscam relacionamentos mais saudáveis, autênticos e gratificantes.

Antonio Paulo Angélico
Psicólogo e mestrando do Programa de Pós- Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) / Laboratório de Interação Social (LIS) / Grupo de Pesquisa na área de Relações Interpessoais e Habilidades Sociais.

 

Estante

Psicologia Escolar: Teorias Críticas
Organizado por Marisa Eugênia Melillo Meira e Mitsuko Aparecida Makino Antunes, o livro se destina a profissionais e estudantes de cursos de Psicologia e Educação e todos os interessados no debate sobre a construção do pensamento crítico em Psicologia Escolar que podem se constituir em elementos norteadores fundamentais para a adoção de um compromisso social com a cidadania, a ser concretizado em propostas de atuação orientadas por finalidades transformadoras. Uma verdadeira compilação do trabalho diário de vários autores. Editora Casa do Psicólogo, (11) 3034-3600, 128 págs, R$ 21,00


Psicologia Escolar: Práticas Críticas
Os textos denunciam os compromissos ideológicos da Psicologia Escolar e as novas possibilidades de intervenção nesse contexto. As possibilidades levantadas constituem expressões concretas do pensamento crítico já construído em Psicologia e Educação para que os psicólogos escolares possam ajudar a escola a cumprir sua função social. As autoras são docentes e pesquisadoras do Departamento de Psicologia da UNESP em Bauru, do Instituto de Psicologia da USP e do Programa de Estudos Pós-graduados em Psicologia da Educação da PUC-SP, todas marcadas pelo compromisso de colocar a Psicologia a serviço da transformação social. Editora Casa do Psicólogo, (11) 3034-3600, 128 págs, R$ 16,00


Psicologia do Esporte Aplicada
Considerada uma ciência e uma disciplina de aplicação relativamente jovens, a Psicologia do Esporte tem buscado desenvolver métodos e paradigmas para avançar na aproximação entre teoria e prática, grande preocupação da área nos últimos 30 anos. Esse livro mostra que, ao longo desses anos, temas como motivação, personalidade, agressão e violência, liderança, dinâmica de grupo, bem-estar psicológico, pensamentos, sentimentos de atletas e vários outros aspectos da prática esportiva foram sendo incorporados à lista de preocupações e necessidades de pesquisadores e profissionais, ampliando o universo de estudo e aplicação da Psicologia do Esporte. A obra traz a experiência de vários profissionais psicólogos que vêm atuando junto a atletas e equipes esportivas no desenvolvimento de programas de preparação psicológica e treinamento mental. Editora Casa do Psicólogo, (11) 3034-3600, 246 págs, R$ 30,00

 

Ensaios de Psicologia Hospitalar - A Ausculta da Alma
No livro, a autora Susana Alamy traz novos conceitos de Psicologia Hospitalar e introduz uma nova maneira de se fazer psicologia, intitulando-a de ?psicoterapia hospitalar? - expressão criada por ela a partir de seus estudos científicos sobre o atendimento de pacientes dentro de hospitais gerais. A obra aborda vários temas importantes para quem se interessa pelo sofrimento emocional causado a partir das patologias orgânicas, bem como outros temas relacionados à prática do psicólogo hospitalar, e também apresenta relatos de casos. ?Ensaios de Psicologia Hospitalar? traz ainda um capítulo dedicado a projeto de implantação, apresentando, medotologicamente, como se estrutura um serviço de psicologia dentro de hospital. Edição independente. (31) 9141-9106, 251 págs, R$28,00 (incluso postagem)


A Herança Psíquica na Clínica Psicanalítica
A autora, Maria Cecília Pereira da Silva, levanta uma discussão sobre os traços psíquicos na clínica psicanalítica a partir das concepções que consideram a subjetivação humana ocorrendo por meio de transmissões psíquicas por gerações. Propõe a compreensão de aspectos do psiquismo humano que se caracterizam como de um outro que o procedeu no enfrentamento das grandes questões do destino humano. Descreve casos de três settings distintos: intervenção precoce, análise tradicional e atendimento familiar. Editora Casa do Psicólogo e Fapesp, (11) 3034-3600, 184 págs, R$ 23,00


Estratégias Cognitivo-Comportamentais de Intervenção em Situações de Crise
Elaborado por Frank M. Dattilio, Arthur Freeman e colaboradores, o livro é dividido em duas partes. A primeira aborda o tratamento de síndromes clínicas como transtorno de pânico, suicídio, depressão, abuso de substâncias químicas e trauma de estupro. A segunda é composta por tópicos especiais que explicam as técnicas em problemas como trauma de desastre, crise de crianças e adolescentes na escola, famílias em crise, parceiros violentos e divórcio. O destaque da obra fica por conta do capítulo especial sobre o tratamento cognitivo-comportamental de intervenção com portadores de estresse. A abordagem busca prevenir e amenizar o estresse traumático do paciente após incidente crítico. Artmed Editora, (11) 3062.3757, 384 págs, R$ 74,00


Psicologia Ambiental: Entendendo as Relações do Homem com seu Ambiente
Psicologia Ambiental tem, assim como a Psicologia em geral, ?um longo passado, mas apenas uma breve história?, e os autores Hartmut Günther, José Q. Pinheiro e Raquel Souza Lobo Guzzo deixam claro essa relação. Entretanto, existe uma importante variante: as raízes da Psicologia Ambiental são não apenas longas, temporalmente, mas também amplas, no que diz respeito à sua extensão em outras áreas do conhecimento. Desta maneira, temas, tratando da relação recíproca entre pessoas e ambiente, encontram-se não somente na Psicologia Ambiental, mas em Arquitetura, Planejamento Urbano, Geografia Humana/Social, Ergonomia, Educação Ambiental, entre outras. Editora Átomo e Alínea, (19) 3232-9340, 80 págs, R$ 20,00

 

 

As Múltiplas Faces da Velhice no Brasil
A obra apresenta uma ampla variedade de experiências de gestão da velhice exercidas por indivíduos, por grupos e por instituições sociais. As análises são pautadas por categorias oriundas da Sociologia, da Antropologia e da Psicologia Social: atitudes e preconceitos em relação à velhice, identidade, papéis sociais, gênero, autonomia, dependência econômica, grupo familiar, cuidado, conflito, relações intergeracionais, status, valores, memória social, cidadania e autogestão, entre outros. A partir delas, os organizadores, Olga Rodrigues de Moraes Von Simson, Anita Liberalesso Neri e Meire Cachioni, selecionaram os oito textos da coletânea e oferecem aos leitores um rico painel das realidades de velhice no país, realidades representadas e existentes na mídia impressa, em grupos de alfabetização, em assentamentos rurais, em conselhos de representação de idosos, nas famílias e em instituições de longa permanência. Editora Átomo e Alínea, (19) 3232-9340, 252 págs, R$25,60




volta ao índice deste número