Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Comunicação | Jornal PSI |


 
   

ano 19 ? número 126 ? janeiro / fevereiro 2001

Editorial

Cartas

Eleições
Está aberto o processo eleitoral para o CRP SP e para o CFP.

Diálogos
Como deceria ser a Psicologia Escolar praticada no Brasil, segundo a especialista Raquel Guzzo.

Formação
Vantagens e desvantagens da educação à distância.

Opinião
A falta de regulamentação específica sobre a prática da psicoterapia.

Sociedade
Gurus da auto-ajuda prosperam vendendo técnicas de resultados questionáveis.

Mercado
O crescimento da auto-ajuda está relacionado à globalização e ao individualismo.

Autores
Quem se destaca no mercado da auto-ajuda.

Regulamentação
Auto-ajuda inclui-se entre as práticas não reconhecidas.

Livros
Pessotti completa trilogia que aborda historicamente o fenômeno da doença mental.

Informática
Reabilitação cognitiva é área promissora para a Psicologia.

Notas

Orientação
O ??vínculo? e a ??ética? na prestação de serviços psicológicos.

Expediente

Verve

?Não agüento mais livro de auto-ajuda, esoterismo e religião. Eu quero livro para ateu.?
José Simão, FSP, 24/12/2000

?As enormes brechas no conhecimento científico sobre a mente, e o óbvio papel central dela na vida humana, tornam a Psicologia um alvo fácil de picaretagens e perfumarias.?
Ricardo Bonalume Neto, FSP, 30/05/1999.

?Tudo aquilo que você deseja na vida pode ser alcançado através do poder cósmico latente em seu cérebro.?
Joseph Murphy, autor de ?A Força do Poder Cósmico do Subconsciente?.

?Se entrar no ramo da auto-ajuda, vou fazer muito dinheiro.?
Celso Pitta, ex-prefeito de São Paulo, sobre sua ocupação depois de deixar a Prefeitura de SP, FSP, 27/11/2000

?Poucas pessoas sabem usar a palavra para provocar um efeito nos outros como eu. (...) No final de um seminário de alta performance, se eu disser para comerem grama, eles comem.?
Roberto Shinyashiki, psiquiatra e autor de livros de auto-ajuda, Revista Exame, 24/03/1999

?Na área emocional, enquanto os especialistas trabalham nas universidades e nos centros de Psicologia Esportiva, os pseudopsicólogos utilizam, nos clubes e no COB (Comitê Olímpico Brasileiro), técnicas de auto-ajuda amadoras, ineficientes e sensacionalistas.?
Tostão, ex-jogador da Seleção Brasileira de Futebol, FSP, 08/10/2000