Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Comunicação | Jornal PSI |


 
   

ano 17 ? número 124 / 125 ? setembro / outubro / novembro / dezembro 2000.

Editorial

Cartas

Administração
Anuidade do CRP SP sofre reajuste abaixo da inflação.

Evento
A repercussão da 1ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia.

Celebração
Festa Diversidade foi ponto alto da Mostra.

Trabalhos
Projetos que representaram SP na Mostra.

Exposição
Os vencedores do 2º Prêmio Arthur Bispo do Rosário e do 1º Concurso Palavras&Imagens.

Mobilização
O lançamento da Campanha Contra a Redução da Idade Penal.

Comportamento
É cada vez mais difícil delimitar onde termina o espaço público e começa a privacidade.

Tecnologia
Mapeamento genético, câmeras de segurança etc.

Mídia
Exposição da privacidade vira show de TV.

Serviço
Um guia sobre a invasão da vida privada.

Diálogos
Clotilde Rossetti narra sua trajetória voltada à pesquisa sobre desenvolvimento humano.

Informática
Orientação e psicoterapia pela Internet: qual a diferença?

Notas

Livros

Orientação
A questão do sigilo profissional do psicólogo.

Expediente

Verve

?Vivemos o fim da reverência à privacidade, fenômeno da era da informação, reforçado pela falta de interesse pela coisa pública.?
Gilberto Dimenstein, FSP, 06/08/2000.

?Apesar do nome ?reality-shows?, esses programas nada têm a ver com a realidade. São encenações manipuladas pela fantástica capacidade da TV de converter qualquer coisa, inclusive a fantasia, em verdade.?
Alberto Dines, Observatório da Imprensa, 25/08/2000.

?Numa sociedade em que os bens produzidos não estão em igual alcance para todos e que a cada dia se acirra a miséria econômica e social, é natural que a figura do outro apareça como um inimigo, como aquele que, como na horda primitiva, pode comer o alimento que serviria para mim.?
Paulo Denisar Fraga, psicólogo, FSP, 03/09/2000.

?Acho que fui mais transparente que os outros e por isso fui tachada de antipática.?
Andréa, participante do programa ?No Limite?, DP, 22/09/2000.

?Em programas assim, espectadores rompem um limite: o limite epistemológico que costuma separá-los do lado de lá do mundo das representações. Cidadãos-atores-personagens como que entram na tela para interpretar seus dramas pessoais em cadeia nacional.?
Esther Hambúrguer, antropóloga, sobre o programa ?No Limite?, FSP, 03/09/2000.