Pular Links de NavegaçãoPágina inicial | Comunicação | Cadernos temáticos |


Programa Aprendendo com Saúde


Sandra Maria Monetti
Coordenadora do Programa Aprendendo com Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo

Sou pediatra de formação. Coordeno um programa na Secretaria Municipal de Saúde junto à atenção básica, desenvolvido numa parceria entre as Secretarias Municipais de Saúde e de Educação e SPDM.


  • DECRETO 48.704 de 11/09/07 dá nova Regulamentação para a Atenção à Saúde do Escolar.

  • ?...otimizar ações governamentais voltadas à prevenção e recuperação da saúde dos alunos da Rede Municipal de Ensino?.

  • Projeto piloto em 2007, com 05 equipes volantes de pediatras, atendendo a 15.201 alunos de 0 a 7 anos em 65 escolas municipais.

É um programa que foi criado por decreto do prefeito em 11 de setembro de 2007. Ele dá uma nova regulamentação para a Atenção à Saúde do Escolar. Tem como principal objetivo otimizar as ações governamentais voltadas para a prevenção e recuperação de saúde de alunos da Rede Municipal de Saúde.

Foi feito inicialmente um projeto piloto em 2007, onde atuaram cinco equipes volantes com pediatras, atendendo a 15.201 crianças de zero a sete anos em 65 escolas municipais.

    OBJETIVOS
  • Diagnóstico precoce e intervenção em agravos que possam comprometer o desempenho escolar da cidade de São Paulo.

  • Realizar ações/práticas de promoção de saúde, estimular a mudança de comportamentos e aquisição de hábitos saudáveis.

  • Incorporar a família no processo de acompanhamento de saúde das crianças.


O objetivo deste programa é um diagnóstico precoce, com intervenção em agravos que possam comprometer o desempenho do escolar do município de São Paulo, realizar ações e práticas de promoções em Saúde, estimulando a mudança de comportamento e a aquisição de hábitos saudáveis. E com um terceiro objetivo, tão importante quanto os outros, que é incorporar a família no processo de acompanhamento da saúde de seus filhos.

Em 2008, esse programa ampliou suas equipes de Saúde, incluindo equipes de Saúde Bucal e outras especialidades médicas, entre elas, otorrinolaringologia, neurologia, ortopedia, dermatologia, endocrinologia e cardiologia. Então, são seis especialidades.

A partir do segundo semestre, com a avaliação do programa e da demanda dessas crianças, foram incluídos fonoaudiólogos e psicólogos nas equipes de pediatria. Eles acompanhavam essas equipes para a avaliação das crianças dentro do ambiente escolar, em todas as regiões do município próximo.

Foram feitas inicialmente as integrações que foram importantes, a apresentação do programa à Rede Municipal de Saúde, todos os serviços de Saúde conheceram o programa, a maneira como eles iriam atuar e como iriam interagir. Foram apresentados também os serviços de saúde da rede básica para as equipes do programa e foram apresentadas as diretrizes de SMS e SME.

    INTEGRAÇÕES
  • Apresentação do Programa à Rede Municipal de Saúde ? Coordenações/UBS e às Direções Regionais de Educação ? DRE (visitas precursoras)

  • Apresentação dos Serviços de Saúde da Rede Básica às Equipes

  • AApresentação de Diretrizes de SMS/SME

  • População Escolar: CEI / EMEI
    CEI ? 332 escolas com 48.457 alunos
    EMEI ? 468 escolas com 255.839 alunos

O programa, inicialmente em 2008, atendeu crianças de seis Escolas Municipais de Educação Especial ? EMEEs ? de 0 a 7 anos; 332 Centros de Educação Infantil ? CEIs ? com 48.457 alunos matriculados; e 468 Escolas Municipais de Educação Infantil ? EMEIs ?, com mais de 255 mil alunos matriculados.

No atendimento de 2008, as equipes de pediatria visitaram 569 escolas, onde estavam matriculados 143 mil alunos. As equipes de saúde bucal visitaram 365 escolas, onde estavam matriculados 116.466 alunos.

Essas crianças são avaliadas com pediatras. Tem equipe de apoio, uma equipe de auxiliar de enfermagem. É feita uma avaliação biométrica, uma ficha dessas crianças, que têm prontuários, um registro. O importante é a participação dos pais durante essa avaliação.

ATENDIMENTO EM 2008 : CEI e EMEI
Equipe Triados Encaminhados
Fonoaudiologia 5.511 1.849 (34%)
Psicologia 3.311 1.362 (40%)
Fonte: Atenção Básica ? SMS-G

PRINCIPAIS QUEIXAS - Fonoaudiologia
1. Transtorno de fala e linguagem 51%
2. Hábitos orais/respiração oral 32%
3. Gagueira 5%
4. Disfonia 5%
5. Perda de audição 2%
6. Outros 5%

É feito um levantamento a partir do momento que é detectado algum tipo de problema com essa criança ou se ela tem um histórico de saúde. A ficha de saúde dessa criança também vem acompanhada com a avaliação e, se ela tem alguma demanda, alguma dificuldade observada, ela vai ser encaminhada para a Unidade Básica de Saúde, para fazer o acompanhamento do seu desenvolvimento e crescimento. Ou ela é encaminhada para algum tipo de especialidade, se tem necessidade de um diagnóstico ou de um seguimento prolongado.

Entre os encaminhamentos mais encontrados, temos os problemas fonoaudiológicos. Em segundo lugar, a otorrinolaringologia, depois endocrinologia, cirurgias eletivas, ou seja, cirurgias não de urgência, oftalmologia, alergia, dermatologia e, em nono lugar, a psicologia. Além disso, há casos de problemas respiratórios.

Bom, com relação a essa avaliação do Programa, porque nós pensamos em incluir fonoaudiólogos e psicólogos? Principalmente porque era um número muito grande de queixas de problemas fonoaudiológicos. Os problemas e as queixas psicológicas eram de difícil abordagem.

Tanto a equipe médica como a equipe da Educação não estavam preparadas para enfrentar alguns problemas psicológicos e muitas vezes para as situações de violência que são enfrentadas pelas crianças fora da escola.

Em 2008, repetindo, foram 6 EMEEs, com crianças de 0 a 7 anos. Na equipe de fonoaudiologia, a partir de setembro até dezembro de 2008, foram atendidas 5.511 crianças, que eram encaminhadas por pais, uma solicitação do pai com relação ao programa, ou após a avaliação do pediatra, ou após a avaliação e uma solicitação do próprio educador, que reconhecia algum problema e gostaria de algum tipo de triagem para essa criança, para avaliar e saber como abordar o problema.

Trinta e quatro por cento dessas crianças avaliadas foram dirigidas para diagnósticos ou para um encaminhamento mais detalhado na UBS, onde se tem como referência um profissional da área, um fonoaudiólogo, ou com o NASF.

Em relação aos atendimentos em psicologia, 3.311 crianças foram avaliadas, sendo 40% dessas crianças encaminhadas para um acompanhamento ou um diagnóstico.

    PRINCIPAIS QUEIXAS CEI e EMEI - PSICOLOGIA
  • Hiperatividade e problemas de atenção

  • Dificuldade de aprendizagem

  • Agressividade

  • Enurese/Encoprese

  • Obesidade

  • Dificuldade de relacionamento


Entre as principais queixas em fonoaudiologia, nós encontramos os transtornos da fala e da linguagem com 51% dos casos, hábitos orais de respiração oral com 32%, seguidos da gagueira, distonia, perda de audição e outras queixas.

Em relação à psicologia, as principais queixas foram a hiperatividade e problemas de atenção, as dificuldades de aprendizagem, a agressividade em alguns casos, como reflexo de problemas próprios e dos familiares, enurese e encoprese, obesidade, hábitos orais e dificuldade de relacionamento.

O interessante é a aceitação da avaliação dessas crianças no ambiente escolar. É muito importante a integração da criança com o profissional médico, da Educação e da Saúde. É uma parceria muito interessante. Os pais estavam sempre acompanhando esse tipo de avaliação, o que foi muito importante para o programa.

    FLUXO DE ATENDIMENTO
  • Os alunos com necessidade de acompanhamento e diagnóstico nas diferentes especialidades são encaminhados à UBS/USF de Residência para agendamento ou atendimento.

  • Durante o atendimento nas escolas são feitas orientações a pais e professoras.

  • Em desenvolvimento plano piloto com a participação de fonoaudiólogos e psicólogos em Reuniões de pais e professores.

Este é o fluxo de atendimento dos alunos com necessidades de acompanhamento e de diagnóstico, nas diferentes especialidades. Eles são encaminhados para as UBSs, ou a unidade de equipe do PSF, ou de residência para serem agendados e atendidos, ou o tratamento, durante o atendimento na escola.

Enquanto é preparado todo o tipo de atendimento, essas profissionais, as fonoaudiólogas, psicólogas e pediatras, desenvolveram ações educativas. Como isso funciona? Existe algum tema que estes pais solicitam, o pai ou o professor, uma abordagem como acidente, como escabiose, como troca de letra. Esse tema, então, é falado, discutido com os professores.

Estamos iniciando um plano piloto com a participação do fonoaudiólogos e psicólogos em reunião de pais e mestres, tanto para fazer, como para discutir sobre esses problemas encontrados na rede durante o atendimento.

Existe muita integração entre as crianças e os professores. Acredito que seja uma troca muito importante para a Educação.

voltar ao sumário
Aumentar textoDiminuir texto